Skip navigation

Monthly Archives: junho 2009

então.

 

montes de coisas acontecendo por aqui. MONTES de coisas, montes delas. e pracabar de FODER de vez, no meio dessas COISAS todas, eu resolvo ter IDÉIAS. estou basicamente BOTANDO PRA QUEBRAR de tanta idéia. uma COQUELUCHE de idéias. e preciso de tempo pra coloca-las em prática. tempo esse que, sem idéias, eu já não tenho.

 

aí é isso. por uma boa causa, eu acho. por enquanto o blog continua abandonado.

 essa semana eu tou CINZA ESCURO, com momentos entre o VERMELHO SANGUE e o ROXO-topei-com-a-quina-da-mesa.

 então, por enquanto, melhor me manter longe daqui.

emiliana torrini.

voltamos com a programação normal depois do feriado, sim?


hurtmold.

hoje meu nome é saudade.

essa

emmanuelle seigner.

 

o negócio é o seguinte. acho CA-FO-NA passar mal na balada. primeiro porque pressupõe-se que você encheu a lata de álcool e passar mal de beber é muito colegial pra qualquer um de nós. segundo porque, MANTER A CLASSE sendo carregada de braços abertos, babando e os peitos pulando do decote, veja bem, é uma missão quase impossível.

como eu tenho algum bom senso e evito dar pitacos em coisas pelas quais não passei, achei que esse final de semana seria uma ótima oportunidade de colocar em prática a minha teoria sobre PASSAR MAL COM ELEGÂNCIA. é um pouco frustrante dizer que não havia álcool envolvido, apenas um ambiente abafado, uma injeção na bunda momentos antes e febre nos dias anteriores. 

enfim, o importante é que em nome da verdade, eu fui capaz de provar empiricamente que sim, é possível dar bafão de forma elegante, incomodando o mínimo de gente possível e saindo à francesa:

step 1) você começa a ouvir as coisas todas embaralhadas. os agudos somem e os graves sobressaem. o que você faz? pede à sua companheira de aventuras que PAGUE A COMANDA porque você PRECISA DE AR. não espere demais. esse é um daqueles momentos cruciais que, se desperdiçados, serão relembrados e lamentados à exaustão. nessas horas, TIMING é tudo. como a coisa toda começa DO NADA, a sua companhia vai até o caixa, ainda DESCRENTE de que você possa PIORAR. quando ela, do caixa, olha pra você, fica claro que HOUSTON, WE HAVE A PROBLEM. afinal de contas, você pode estar infartando, convulsionando, perdendo os sentidos, mas SEMPRE vai lembrar de arrumar o cabelo e ajeitar os peitos para que, numa possível queda, eles não venham à tona. quando a companheira de aventuras vê você fazer isso com os olhos vidrados NO NADA e o rosto BRANCO, apesar de todo o blush que as suas bochechas foram capazes de suportar, aciona-se o alarme e ela admite que, ok, as coisas não estão bem.

step 2) agora, além do barulho, você NÃO VÊ NADA. não é uma névoa à sua frente, não são pessoas duplas ou triplas. não. a escuridão tomou conta da sua vida e tudo o que você pode fazer é segurar na mão de quem estiver mais próximo e pedir ME LEVA ATÉ A SAÍDA PELAMORDEDEUS. como você não vê NADA e o caminho do bar até a porta é relativamente longo, dada as condições de pressão e temperatura, nada mais resta do que seguir em frente e manter o rebolado. tateando, suando e sorrindo, that’s the biggest rule.

step 3) já em segurança, certifique-se de que há uma cadeira à sua disposição, ar fresco e alguém de muito bom senso segurando o seu rosto que teima em tombar. sendo assim, faça o que deve ser feito e DESMAIE. afinal de contas, você está de olhos abertos, sorrindo, suando, com os peitos dentro da blusa e alguém te mantendo ereta. relaxe e desfrute desse momento de paz.

step 4) dez segundos depois volte à vida, cruze elegantemente as pernas, beba uma água e despeça-se como nada-tivesse-acontecido.

e acredite, amiga dona de casa, é possível sair dessa sem maiores estragos.


ei ei, daqui a pouquinho, flores partidas, no MGM.


jim jarmusch, mulatu astatke e bill murray. uma bela maneira de fechar o dia.

.

o que pensar da vida quando o seu pai liga, desesperado, perguntando por quê diabos eu disse hoje que nasci em 82?

¬¬

será que é porque eu, de fato, nasci em 82?


aí ele diz, SÉRIO? PUTAMERDA, achei que você era mais nova. então tá bom. bjo, tchau.


assim. achou. que. eu. era. mais. nova. e ignorou o fato de NOS CONHECERMOS há VINTE E SEIS ANOS.


pois é, vai entender.